Equipe do Projeto Gambá falou sobre o PAAS em Santa Teresinha

Uma equipe do Grupo Ambientalista da Bahia (GAMBÁ) esteve na cidade de Santa Teresinha no último domingo, dia 04 de maio, para apresentar e explicar sobre o Projeto “Ações Ambientais Sustentáveis”, que é desenvolvido pelo grupo desde janeiro de 2010 com o patrocínio da Petrobras através do Programa Petrobras Ambiental.

Graças aos bons frutos colhidos na sua primeira fase, resultantes das ações conjuntas entre o Gambá e seus parceiros locais da região, o Projeto foi renovado e retomou suas atividades em agosto de 2013, ampliando seu raio de atuação direta para oito municípios: Elísio Medrado, Santa Teresinha, Castro Alves, São Miguel das Matas e Varzedo e agora também Dom Macedo Costa, Cruz das Almas e Amargosa.

Conforme informações retiradas do site do projeto, durante os dois anos da primeira fase do Projeto, o Gambá recuperou 12 hectares de Áreas de Preservação Permanente – APPs degradadas e implantou 16 km de cercas vivas, utilizando mudas de espécies nativas produzidas pelo Gambá no seu Centro de Pesquisa e Manejo da Vida Silvestre – CPMVS, localizado na Reserva Jequitibá, município de Elísio Medrado. Mais de oito mil pessoas foram beneficiadas com as ações de reflorestamento e implantação de cercas vivas em suas propriedades e com um extenso trabalho de educação ambiental voltado para a sensibilização das populações locais.

As ações do Projeto visam a recuperação dos remanescentes florestais de Mata Atlântica e Caatinga da região, o que promove a manutenção dos serviços ambientais prestados pela natureza (produção de água e oxigênio, proteção de solos, etc.) contribuindo assim para a produção agrícola e para a melhoria da qualidade de vida das comunidades. Com a realização deste trabalho o Gambá dá continuidade às suas ações do Programa de Conservação de Ecossistemas, desenvolvidas na região do Recôncavo Sul Baiano desde 1996, e busca contribuir para influenciar mudanças de atitudes das comunidades locais, da sociedade civil organizada e do poder público da região, quanto à conservação dos sistemas ambientais.

Localizada na porção sul do Recôncavo Baiano, a Serra da Jibóia abriga o maior remanescente florestal de Mata Atlântica da região, responsável pela formação de importantes bacias hidrográficas como as do Rio da Dona, Rio Jaguaripe e Rio Jequiriçá. Sua grande variedade de ecossistemas contribuiu para que a Mata Atlântica brasileira e baiana fosse considerada um “hot spot”, termo apropriado para locais do planeta com rica biodiversidade.

A população desses municípios, constituída de maioria rural, ocupa-se em atividades econômicas de subsistência, com destaque para as monoculturas de mandioca, banana, café e fumo, e para a pecuária bovina, principal causadora do desmatamento florestal devido à abertura de pastagens.

ASSISTA AO VÍDEO.